terça-feira, 18 de julho de 2017

[Podcast] Pensando RPG #070 - Entenda a figura do Monge


Bom dia, RPGista!! Segue aí a continuação da série que iniciei semana passada, quando falei sobre o Druida, em que pretendo trabalhar um pouco ideias e conceitos de cada uma das classes do D&D. Hoje falo sobre o monge! Segue a sinopse:

Neste episódio, falo um pouco sobre as inspirações para a classe do Monge no D&D, falando sobre filosofia budista e taoísta, sobre monges Shaolins e sobre alguns ideias bem interessantes de ambientação para a classe em um RPG baseado em Dungeons & Dragons.

Duração: 21m48s
Baixar diretamente - Clique Aqui
Confira o podcast no Itunes - Assine Aqui
Podcast Addict? Procure "Pensando RPG"
RSS Feed do Podcast (NOVO) 


BAIXE AGORA O APP DO SITE

Falado no Podcast



Confira e Participe

10 comentários:

  1. no caso da sombra, ele pode fazer esse esquema para tentar evitar o combate, mas caso n seja possivel ele resolve lutar e terminar o mais rapido possivel, caso tenha que lutar.
    outra coisa q é interessante fazer ou uma classe ou caminho de algum conjurador que seja focado em criação de itens (tem a classe artesao/artificier da propria wizards, so que ta em testes, como visto no planeshift kaladesh) (planeshift é um grupo de livros c/ a ambientação dos planos de existencia de magic the gatering)

    ResponderExcluir
  2. Me inspirou até para fazer uma classe nova no old dragon baseada no monge do D&D.
    Valeu Leo o/

    ResponderExcluir
  3. Então, a tendencia no D&D 3.5 é sempre leal/algo.
    E foi até algo que discutia bastante com os demais membros do grupo, off game logicamente, que a lealdade no monge não é aquela descrição ao pé da letra de "luta justa", mas lealdade de espirito, de principios.

    ResponderExcluir
  4. Mais uma vez eu gostei do modo prático como você explica cada detalhe. E até mesmo quem não tem conhecimento algum sobre RPG compreende perfeitamente. Gostaria muito como havia dita no comentário anterior, de que houvesse mais episódios sobre literatura fantástica.

    E um dos temas que mais me causa espanto e dúvida é sobre Os Istari, os cinco magos de O Senhor dos Anéis. Seria maravilhoso um episódio inteiro sobre eles. Parabéns pelo site.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, vale! Sim, pode dar uma tema bem maneiro. Falar dos Istari, Maia, Valar, que a galera confunde muito e tudo mais. É bem legal a mitologia de Senhor dos Anéis. Me amarro demais.

      Excluir
  5. Sim, os monges Shaolin são Budistas. Os monges taoistas são monges de Wudang.

    "O Templo Shaolin é um famoso mosteiro budista localizado na vertente ocidental do monte Song (Sung Chan), na província de Henan, na República Popular da China.[1] Nele, viveu, no século VI, o 28º patriarca budista (e primeiro patriarca zen-budista), Bodhidharma. No templo, Bodhidharma criou o estilo chan (zen) do budismo, bem como o estilo shaolin de kung fu."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi o que falei, sabia que usavam uma outra denominação que não Zen Budismo. Agora falou aí que o nome que procurava era Chan (que pelo jeito é o Zen mesmo)! É uma forma de budismo muito próxima ao taoísmo mesmo.

      Excluir
  6. O monge apesar de ser visto como estranho para muitos jogadores em um cenário medieval, pode ser bem encaixado nas campanhas de RPG, diversos exemplos mostram isso:
    • Em Diablo 3, o monge foi bem recebido e caracterizado, não estragando em nada o tema medieval do jogo.
    • Em World of Warcraft, na expansão Mists of Pandaria, é claro que a classe Monge surge como algo cultural aos Pandaren, porém outras classes podem se adaptar à ela, o jogo assim como Diablo 3 não teve sua temática destruída por adicionar monges à sua história, que podem ser bem versáteis, como Dano, Cura e até Defensivos.
    • No desenho Caverna do Dragão (ou Dungeons e Dragons no original), a personagem Diana usa um bastão mágico como arma, mesmo não sendo caracterizada como Monja, seu bastão remete a idéia de que é uma arma bem aceita em cenários medievais.
    • No jogo For Honor, mesmo não compondo fantasia, sendo mais um jogo histórico ou próximo disso, a nova facção a ser adicionada no jogo são os Wu Lin, sendo um deles um Monge Shaolin.
    Ou seja, em um jogo onde Samurais, Cavaleiros e Vikings se enfrentam,a nova facção foi bem colocada, o que é um bom exemplo de um Monge em cenários medievais, o clássico "forasteiro", sendo uma questão de regionalização.
    • E por fim, muitos preferem não usar o monge pela energia usada por eles o Chi, muitos se perguntam: De onde ele vem? Como funciona?
    O Chi nada mais é do que a energia espiritual, ou a energia que flui em todas as coisas vivas, portanto, se no mundo D&D conseguem explicar fontes e origens de magias, não há dificuldade nenhuma em explicar o Chi.

    ResponderExcluir