quarta-feira, 17 de maio de 2017

[Podcast] Pensando RPG #042 - Como criar bons heróis/vilões? (Feat. Sherlock Holmes =D)


Bom dia, RPGista! Hoje trago um novo pocast conceitual que considero muito legal e importante, assim como foi o da semana passada! Inclusive o link para o podcast da semana passada, sobre Aquiles e a "boa morte" estará logo abaixo. Enfim, segue a sinopse:

Neste episódio, falo sobre quais as qualidades necessárias hoje para que consideremos algum personagem um herói. Falo em especial sobre um detalhe que, mudado, pode fazer um personagem que era um herói ser visto como vilão.

Duração: 16m20s
Baixar diretamente - Clique Aqui
Confira o podcast no Itunes - Assine Aqui
Podcast Addict? Procure "Pensando RPG"
RSS Feed do Podcast


BAIXE AGORA O APP DO SITE

Falado no Podcast


Confira e Participe



8 comentários:

  1. Opa, Estou tentando criar o meu RPG (criando do "zero" um sistema e um universo) faltando pouco para finalmente ficar jogável.
    E para dar mais vida ao mundo estou um criando personagens denominados Lendários, aqueles que são conhecidos como lendas, e tem histórias épicas.
    Para explorar isso estou fazendo a história da personagem Bora Aventureiro, que está sendo postado aos poucos no meu blog: http://botof-rpg.blogspot.com/
    E como gostaria de compartilhar essa história gostaria que qualquer interessado dê uma olhada.
    Lembrando que é uma história de RPG então pode ser que não seja tão bem escrito como um livro, mas é um começo.

    ResponderExcluir
  2. Agora sobre o episódio, estou surpreso. Hoje vou apresentar um trabalho relacionado a Sherlock, e esse podcast me ajudou bastante.
    Acho conveniente ter visto isso logo hoje (VALEU DESTINO).

    As emoções nos heróis é interessante. Minha personagem favorita é a Klaire, ela é uma menina que só tinha um objetivo, salvar os pais, que tinham sido presos injustamente. Para isso necessitava de dinheiro, e ela encontra a oportunidade de conseguir muito dinheiro graças a deusa da justiça. Precisando 20.000 moedas de ouro para salvar seus pais ela decide pegar apenas 10.000 como ajuda da deusa, ganhando assim alguns pontos de Karma inclusive. XD
    O ponto é que ela poderia ter vacilado e pego todo o dinheiro ali, mas seu sentimento de justiça (inspirada pela deusa) e de humildade a fez pegar somente o necessário.
    Esse dia foi interessante. Me fez feliz tê-la criado, e por esse e outros motivos se tornou minha personagem favorita de todos os meus jogados em RPGs.

    Valeu pelas dicas, planejo levar o que foi dito na criação das minhas personagens e na minha apresentação de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! E que bom que encontrou o podcast na hora certa!!!

      Mal a demora em ver o comentário. Por algum motivo ficou na moderação =)

      Excluir
  3. Esse podcast fez uma análise excelente!
    Seria interessante abordar no RPG mais essas questões do que faz um personagem ser um herói. Tem um sistema que eu jogo, o Scion, em que a emoção, as paixões podem dar bônus nos textes. Pendragon também tem esse elemento. Acho interessante abordar de alguma forma isso. De certa forma, dependendo de como o mestre e os jogadores re-interpretam, no D&D 5edição a Inspiração poderia ter alguma relação com emoção, tanto quando se usa como na forma como se recupera ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, legal. O podcast de hoje trará mais sobre isso.

      Excluir
  4. Interessante essa explicação de Holmes pela época Vitoriana...
    fico pensando em 'Alice no país das maravilhas' que tbm é outra obra Vitoriana, mas faz totalmente o oposto! Alice é totalmente nonsense. Seria então uma forma de Lewis Carrol criticar este racionalismo exagerado de sua época?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisaria me debruçar com mais calma pra analisar. Mas é muito provável. Se não me engano, o Lewis Carrol segue também algumas das literaturas de época que é usar a experimentação com drogas e tal como inspiração pra obra. Naquela época, muita gente fazia, não se tinha a mesma visão que se tem hoje. Mesmo no Holmes, o personagem usa algumas com esse sentido de "abrir" a mente. Se não me engano (e estou puxando de memória, pode estar falhando), Alice vem um pouco dessa fase da literatura. Se for ver, Admirável Mundo Novo, do Aldous Huxley tem um pouco disso também.

      Excluir
    2. E muito, muito legal o comentário! Valeu =)

      Excluir