domingo, 6 de novembro de 2016

[Podcast] Pensando RPG #012 - Perguntas & Respostas: Como melhorar suas batalhas?


Olá, pessoal! Segue mais um podcast de domingo. Achei que esse ficou muito legal. E, como sempre, os comentários de vocês enriqueceram DEMAIS o episódio. Convido todos a continuarem a participar! Segue a sinopse:

Neste episódio, falo sobre como melhorar estrategicamente as suas batalhas, para depois ainda dissertar um pouco sobre como fazer os jogadores valorizarem mais a vida dos personagens.

Duração: 36m11s
Baixar diretamente - Clique Aqui
Confira o podcast no Itunes - Assine Aqui
Podcast Addict? Procure "Pensando RPG"
RSS Feed do Podcast


BAIXE AGORA O APP DO SITE 

Falado no Podcast

- Pensando RPG #007 - Como fazer seus personagens jogarem melhor?

- Como criar batalhas épicas (ou combates); ou, um encontro com o Beholder

- Mina Perdida Phandelver: Episódio 1 - Valor e Coragem

- Artigo sobre Falhas Críticas

Confira e Participe

- Grupo do Facebook

- Curta a Página no Facebook

- Assine por E-mail

- Siga no Twitter! @leoschabbach 





powered by TinyLetter

35 comentários:

  1. Como faço para baixar o podcast ? Não estou conseguindo .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso infelizmente tem acontecido com algumas pessoas. É alguma loucura que dá com o soundcloud e dura uns dias, às vezes limpando histórico e cace funciona. Mas pega algumas pessoas por pouco tempo. Tenta baixar por algum agregador de Podcast, como o Itunes ou Podcast Addict (pra Android). E não consegue fazer o download ou nem dar play? To perguntando isso para todo mundo que vem reportando esses problemas para entender.

      Excluir
    2. Opa, nesse caso não era isso. Eu que esqueci na correria de liberar os downloads para essa track. Agora está liberado, só clicar e baixar, vou atualizar o post para por o link de download direto também.

      Excluir
    3. Pronto. Na correria acabei não botando para poder dar download. Agora tá ok.

      Excluir
  2. Esse podcast foi sensacional, eu realmente estava precisando de uma solução para acabar com essa situação de personagem na frente do monstro trocando golpes sem se mover ou fazer algo criativo. Cada podcast ajuda bastante na minha mesa, e como você disse o segredo é conversar. Toda sessão na minha mesa tem a sessão feedback.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, cara! Bom que ajudou, como diz ae o Ricardo (Drakomanth), a cada podcast, um pouco mais de experiência! Hehe.

      E essa questão do feedback é realmente muito importante. É aquela coisa boba que a gente às vezes nem pensa em fazer e faz uma diferença brutal na qualidade do jogo.

      Excluir
  3. eu sou um recém iniciado no mundo do RPG e estou começando pelo Old Dragon, entretanto, noto que ainda peco bastante na interpretação das ações de meu personagem [ordeiro] e por isso, gostaria de pedir que desse dicas básicas de como tentar ser mais fiel às características do meu personagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, legal, vou procurar algumas referências para, quando responder, poder botar alguns artigos legais também! E valeu muito ae pela participação.

      Excluir
    2. pro Huann e pro Leonardo:
      Se vocês manjarem inglês, tem uma série de "Guias" de como interpretar cada tendencia.
      O guia foi feito pra D&D 3.5, naquela epoca, mas como as tendências são as mesmas, vale a leitura.

      Link do "Guia para os Guias", com uma tabela com as tendências e seus guias.
      http://www.giantitp.com/forums/showthread.php?448812-Alignment-Handbook-Super-Thread

      Alguns são bem amplos, dando vários exemplos de como interpretar uma mesma tendência. Outros são mais específicos, mostrando exemplos novos e "inovadores" de se interpretar as tendências.
      O meu favorito é o Pursuit of Happiness, o guia sobre True Neutral. O guia é TÃO BOM que ele até exemplifica a tendencia dando como exemplo o Sam, de Senhor dos Anéis.

      Espero ter ajudado.

      PS: Se o seu inglês não for muito bom, joga no Google Tradutor que dá pra ler bem

      Excluir
    3. Eu to ligado. Era um dos lugares o de buscaria(ei) referência pra falar legal no podcast =)

      Valeu demais a indicação. Assim já vou direto.

      Excluir
  4. Mandei um email em nome da Dragão Geek para você Leonardo, depois me dê um feedback do que você achou da ideia. Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Simplesmente excelente como sempre, a cada podcast, um level up, continue a transmitir e a não deixar o RPG acabar, bom chega de enrolação e aí vai minha pergunta, eu mestro uma mesa em q não usamos grid de batalha nem miniaturas, mas em uma outra mesa q eu jogo, o mestre faz questão do uso do mapa, aí vai a pergunta, o grid é realmente necessário? Pois acho que sem ele a narração fica mais fluida e melhor se aproveita das interpretações dos jogadores, afinal, como eles não estão vendo, eles tem q narrar a cena junto comigo, coisa que não acontece na outra, fica simplesmente a rolagem de dados, como proceder? Devo adicionar ou não? afinal, o grid só é usado para orientação visual e não como um tabuleiro de xadrez por exemplo. Um abraço e sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! Fico muito feliz aí que esteja curtindo o trabalho. E sim, a pergunta é boa. Vou trabalhar ela sim!

      Excluir
  6. Já usei lutas dinâmicas. Lembro de duas ocasiões que os jogadores ficaram com elas na memória:

    Uma vez era um ataque noturno a um acampamento. Eles tinham um tempo para acordarem...

    Começava a luta com 3 orcs e a cada turno vinham chegando mais e mais orcs. Num turno X vinha reforços.

    O tanker do grupo, um guerreiro, ficou cercado por 3 inimigos no 2º turno e me olhou com uma lágrima. Aí ele entrou em defesa por uma rodada.

    Pior que um orc passou a "linha de frente" e começou a atacar a druída do grupo que usava um arco...

    Quando venceram (até com facilidade) suspiraram fundo.

    Outra que fiz foi uma sala com 3 inimigos e a cada turno vinha mais inimigos que estavam próximos. Dois vieram pela retaguarda, inclusive...

    Não lembro como, mas eles conseguiram que no turno que chegou o último inimigo eles estavam guardando as armas. O cara olhou os corpos dos aliados no chão e largou as armas.

    -Vou me aposentar, mamãe tava certa, esse trabalho é muito perigoso, vou virar florista - sai dizendo o mercenário...

    Um dos jogadores quase quis matar o cara porque era desconfiado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ri alto dessa fala ae, haahahahha. Muito bom. Pois é, quando se consegue montar uma batalha legal, fazer os jogadores suarem frio, fica tudo memorável. Nada melhor do que um bom RPG!

      Excluir
  7. Eu queria mostrar uma história que eu criei, tem como entrar em contato com você?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode mandar para o e-mail, pensandoded@gmail.com

      No entanto, recebo bastante esse tipo de pedido. Quero pegar e eventualmente ler, mas tá difícil garantir. O ritmo de produção aqui pro site tá matando essas semanas.

      Excluir
  8. Fala Leonardo, tudo bom?
    Parabéns pelo Podcast, a qualidade tá muito boa !
    Fico feliz que você achou o comentário uma boa contribuição =)

    Até onde vai a minha experiência, os RPGistas em geral costumam ser um grupo bem saudável e que sempre estuda muito e trabalha junto pra ter sempre conteúdo de qualidade.

    Vamos lá a contribuição:
    O canal de YouTube Dawnforged Cast (em inglês) fez um vídeo (link: https://www.youtube.com/watch?v=fXahEGBK1HU) sobre o Druida do Pântano, um encontro de D&D 5e pra aventureiros de 2 nível (mas que poderia ser escalado facilmente), que basicamente consiste numa aventura onde uma floresta foi corrompida e o grupo precisava encontrar a fonte da corrupção.

    O Druida em questão era um conjurador primário e ele tinha um companheiro animal (que era o combatente físico do combate), mas o interessante do combate é que o pântano todo era CHEIO de desafios pra deixar a batalha interessante. Muitas das áreas eram terreno difícil, enxames de insetos podiam atacar os conjuradores, bolhas de gás venenoso apareciam em uma rodada e explodiam na seguinte, causando dano de queimadura e veneno, algumas partes do pântano eram fundos falsos no qual os PCs caiam e tinha dificuldade de se levantar e etc...

    Esse encontro foi um ótimo exemplo de como o mestre pode fazer um encontro que desafie os jogadores a mudar de tática o tempo inteiro. Talvez numa rodada o mago fosse obrigado a gastar sua ação de ataque pra se mover, porque uma bolha de gás ia explodir no local onde ele estava, ou o guerreiro do grupo teve que desistir de atacar o druida porque o companheiro animal era um perigo maior para os aliados. Por ai vai. E o pior: tudo isso se deslocando na metade da velocidade, por conta do terreno difícil.

    Super recomendo o vídeo, pra quem tiver interesse de fazer um "combate final" de uma aventura que seja inovador, fazendo uso de diversas mecânicas (veneno, imobilizado, terreno difícil, ataques contra constituição, nauseas, etc...), tudo em apenas 1 combate.

    Abraço!

    PS: Adorei que vc agora tá colocando o tempo das perguntas no início! Eu ouvi o podcast no carro, não tinha onde anotar os comentários. Chegando em casa eu pulei pra pergunta que eu queria comentar e ouvi ela de novo! hehehe, valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal. E atrasei o podcast de terça, sairá quarta na manhã ou tarde. Achei engraçado pq os falar sobre plot hooks. E essa história do Druida e da floresta corrompida é exatamente um bom plot hook, hehe.

      Excluir
  9. tem um espaço só pra perguntas? Tenho muitas. Todas difíceis.

    Como arrumar tempo pra jogar?
    Como evitar que um jogador domine a mesa, tome decisão por todo mundo e ninguém mais jogue?
    Como lidar com jogador/jogadora que briga com o mestre para que ele remodele o universo para beneficiar a personagem dele/dela?
    Como fazer os jogadores tímidos se sentirem a vontade na mesa?
    Como convencer pessoas a jogarem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, vou anotar e ir respondendo o que puder.

      Excluir
    2. Deixa eu tentar ajudar, que eu to com tempo agora, hehehehe:

      1) Como arrumar tempo pra jogar?

      Defina prioridades, se vc quer fazer 20 coisas, provavelmente não vai conseguir um tempinho pro D&D.
      Depois de achar o SEU tempo, sente com o grupo todo e defina um dia e hora. Nada de "na segunda a gente marca", senão sempre vai ter alguém que "nesse dia não pode".
      As pessoas marcam as coisas, então é melhor que elas já saibam o dia e hora do jogo, pra evitar marcar algo no mesmo horário.

      2) Como evitar que um jogador domine a mesa, tome decisão por todo mundo e ninguém mais jogue?
      Conversando com eles. A princípio, um a um, de forma separada, pra saber se o comportamento desse cara é mal vista pelos outros jogadores. Se realmente for, converse no início da sessão. Talvez ele não saiba que ele está incomodando e talvez ele esteja disposto a mudar e melhorar.

      3) Como lidar com jogador/jogadora que briga com o mestre para que ele remodele o universo para beneficiar a personagem dele/dela?
      Defina desde o início as "regras do jogo". O mestre é a palavra final. Ele tem que criar uma peça de teatro pra DIVERSOS protagonistas, então ele não pode fazer tudo girar no umbigo de um. Se ele insistir e não estiver disposto a mudar, pelo bem de todos os jogadores envolvidos, a porta está aberta e ele pode tentar encontrar um mestre melhor em outro lugar.

      4) Como fazer os jogadores tímidos se sentirem a vontade na mesa?
      Essa é mais difícil, porque depende de muita coisa, em especial se vc já tem um relacionamento com o jogador e se ele mesmo já tem um relacionamento com outros jogadores.
      É mais fácil se sentir confortável entre amigos, mas se você está jogando com desconhecidos, só tente deixar claro que seu papel como mestre é criar uma experiência divertida pra todos.
      Dê liberdade pros seus jogadores perguntarem, questionarem e até discordarem de você e evite encerrar discussões com "EU QUE MANDO", ou algo do tipo.
      Se você notar um jogador participando menos, o mestre pode ele mesmo usar de recursos pra incitar a participação do jogador.
      Ex: O grupo está conversando com um NPC, mas apenas 2 membros do grupo estão interagindo, o Bardo e o Warlock (ambos carisma alto). O NPC pode falar algo do tipo "E você, guerreiro? O que acha de tal plano? É a sua cabeça que estará entre os perigos e eles."
      ou então
      "Eu gostaria de ter a opinião de alguém como eu, que arrisca a vida na ponta da espada, não de um grupo de magos e feiticeiros. Bárbaro, somos nós que fazemos o trabalho sujo no campo de batalha. O que você acha deste plano?"

      Quando os jogadores começarem a interagir, eles irão naturalmente se sentir mais confortáveis e fazer isso sem a necessidade de você incitar ele todos os diálogos.

      5) Como convencer pessoas a jogarem?
      Conte histórias. Ninguém quer saber como D&D é legal porque vc consegue calcular o dano de uma espada longa com um d8, mas todo mundo se interessa naquela história onde o grupo enfrentou o exército de Hobgoblins numa ponte pegando fogo.
      Quanto mais interessante suas histórias, mais as pessoas vão querer jogar e fazer parte dessas histórias.

      Espero que tenha ajudado e, claro, poderiam ser assuntos discutidos mais profundamente, mas eu achei bacana pelo menos dar essas dicas =)

      Excluir
    3. Obrigado por responder!
      São todas questões difíceis, são todos problemas que me afetam e que me interessam, obrigado pela ajuda!

      Alguns comentários do meu caso:


      1) Ter tempo é bem complicado, sempre.
      Marcar próxima sessão no fim da primeira parece bom, mas tenho um grupo muito grande que na pratica dividi em dois, então quando jogo com o grupo A no próximo jogo vai ser com o grupo B. Mas vou tentar.


      2) Conversar com cada jogador em particular é meio difícil! E... mesmo se o jogador dominado não se incomodar, EU me incomodo. Já tentei conversar com todos em aberto no começo do jogo e a jogadora dominador ficou olhando o celular e ignorando o que eu estava dizendo... E vou continuar a jogar com ela.

      3) Vou continuar a jogar com essa jogadora. Ela sabe perfeitamente como é o RPG, jogamos juntos há mais de 10 anos.

      4) É, busco fazer algo semelhante. Também tem gente que prefere ficar quieto e participar pouco mesmo. Acho que fazer comida para os jogadores funciona bem também. Isso é mesmo bem complicado, lidar com pessoas é a coisa mais difícil da vida. E uma das melhores.

      5) É um pouco difícil convencer pessoas a jogar, é difícil até ter coragem de convidar pessoas a jogarem. A última pessoa que eu convidei aceitou depois desistiu de jogar. Lidar com pessoas é coisa mais difícil da vida.

      Excluir
    4. Pois é, hehe, teu caso é mais complicado que o normal, então deixa eu comentar mais umas coisas:

      1) Não deixa pra marcar no fim da sessão. No primeiro dia de jogo, com todos reunidos, já marca o dia e hora PRA TODAS. Isso ajuda a não ter imprevistos.
      Claro que pode acontecer imprevistos, isso sempre acontece em qualquer coisa, não apenas RPG. O importante é que o RPG tem que ser que nem a "Pelada de Quarta".
      Tem dia e horário marcado toda semana. SE POSSÍVEL, os jogadores vão evitar marcar compromisso.

      Esse lance de "toda semana a gente marca" dá muito problema, porque as pessoas as vezes já tem planos e não contam com a mudança da data do RPG. Te digo por experiência própria.

      2) Ok, você tem muitos jogadores, isso dificulta falar com eles individualmente, mas eu acho que vale a pena umas "ligações no meio da semana".
      O importante mesmo é entender PORQUE os jogadores aceitam isso e O QUE eles acham disso. Conversar com eles é sua melhor estratégia.

      Talvez eles nem se incomodem e já se divertem o bastante como está.
      Talvez eles prefiram um jogo com mais combates e a campanha tem conversa demais e eles deixam na mão dela.
      Sei lá, chutando exemplos...

      O importante é o diálogo: entender o que seus jogadores esperam e identificar se isso está sendo atendido ou não.
      Se não estiver, identificar qual o motivo e tentar adaptar a campanha.

      Caso contrário, é difícil ajudar quem não quer ser ajudado. =/
      Ai eu não sei mais como ajudar, talvez o Leonardo tenha melhores dicas, hehehe

      3) Entendi. Falar com ela individualmente não é uma boa, se em grupo ela ignorou?
      O complicado deste caso é que só dá pra levar a conversa à ela se o grupo realmente estiver descontente, o que não parece ser o caso.
      Ela provavelmente vai responder algo como: "Ué, porque vc tá reclamando, tá todo mundo feliz e curtindo o jogo!" e você que vai sair como "mestre mau".
      Eu ainda acho que a melhor opção é o diálogo. Com o grupo e com ela.

      4) Comida é uma boa mesmo! Atividades em grupo, por menores que seja, já ajudam.
      Eu já tive um grupo de RPG que a gente chegava mais cedo pra arrumar o lugar: limpar a sala, tirar as coisas que quebram do lugar, passar pano nas cadeiras, etc...
      Em outro grupo a gente chegava mais cedo e fazia uma zona na cozinha juntos, antes da sessão. Inventava uns pratos malucos pra ter o que comer de noite.

      Nem todo mundo consegue fazer, proque isso demanda tempo, mas é divertido e ajuda a criar uma amizade, que acaba refletindo no jogo também.

      5) Acho que o maior problema é o preconceito, mas acho que você vence isso com boas histórias.
      Todo mundo fala mal de RPG, mas já viu Senhor dos Anéis no cinema, entende?
      As pessoas precisam entender que RPG não é invocar o demonio, mas sim criar epicos como Senhor dos Anéis, O Hobbit, Game of Thrones e por ai vai. Essas mídias tem se popularizado, então quando você explica que "é apenas JOGAR Game of Thrones, você não gostaria de criar um personagem lá no seu e interagir com os personagens?" você desperta o interesse.

      Lidar com pessoas é difícil mesmo, pra qualquer coisa na vida.
      Tem quem gosta e tem quem só aprende a disfaçar heheh .... mas faz parte, ninguém é uma ilha, né?

      O melhor que você pode fazer é ser que nem seu personagem preferido: Ganha XP e passa de nível, hehe
      Aprenda a lídar com os erros, faça experiências e observe bastante, até você descobrir formas de conversar com elas melhor. Na vida estamos sempre aprendendo.

      Boa sorte com o grupo !

      Excluir
  10. 1) Marcar todas as sessões da campanha num dia só é uma boa, mas eu com grupos alternados nem tenho certeza de como vai ser a MINHA agenda. Mas é uma ótima dica, em uma mesa em que participo como jogador o mestre faz isso.

    2) Ligar para os jogadores no meio da semana é uma ótima dica sim, já tinha ouvido antes e não faço. Quando fiz deu super certo. Deveria fazer. Vou tentar.
    Conversar é bom sim, não sei se tenho coragem.
    Faço algumas coisas, de vez em quando separo o grupo para que cada um tenha que tomar as próprias decisões e outras coisas para puxar para o jogo jogadores que ficam de lado quando ela domina o jogo. E até que funciona. Acho que o que me resta é paciência e intervir de forma mais dura só em casos extremos

    3) Falar com ela individualmente é uma boa, mas já vi uma conversa que outro mestre teve com ela sobre o mesmo assunto, ela não reage bem, tou com medo até de conversar com ela.
    Diálogo é sempre importante... ok... vamos ver...

    4) Estreitar lanços de amizade com convivência em outras situações além do RPG. Sim, é bom. Vou convidar agora mesmo.

    5) Um problema grave pra chamar novas pessoas pra jogar é que uma pessoa leiga não entende como o jogo pode demorar 4 horas no mínimo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, você tá 100% certo, ninguém entende como ssessões de RPG são demoradas hahahaha
      Talvez sessões de 15 em 15 dias? Joga-se muito, mas só se faz isso em alguns dias, deixando mais tempo livre pra quem tem outros hobbies.

      Eu fiz isso numa campanha e deu certo, até um dos caras passar no doutorado e largar a mesa, dai paramos..

      Boa sorte ai com a player e com o jogo.

      Sobre lidar com pessoas, tem jeito não, mas você tá numa página de RPG perguntando sobre o assunto, ou seja, vc já tá no caminho certo: estudando pra ser melhor.

      Isso ai já é meio caminho andado pra resolver os problemas!

      Excluir
  11. Cara! Vou te falar! Ontem a gente saiu com a galera, tava eu, os meninos do meu grupo e o irmão de um dos meninos do grupo, a gente foi comer e, quando a gente tava voltando pra casa a gente teve a ideia de jogar uma partida 100% improvisada, e graças aos teus podcasts eu tive altas ideias e a aventura foi muito boa, fora o fato de que agora temos mais um membro no grupo ^,^
    Foi bem divertido, a gente usou o lance da inspiração de do MVP, Foi uma aventura bem doida e maluca, mas foi bem divertido Haha! Teus podcasts tão sendo muito produtivos e inspiradores, tá de parabéns (Se tudo der certo a gente vai continuar essa aventura hoje HAha!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MUITO legal saber que ajudou assim! Guardarei esse comentário aqui para a leitura do domingo que vem =P

      Excluir
  12. Outra coisa que achei interessante no jogo de ontem, foi que os meninos que fizeram a história praticamente, eu fiz o que você falou, de deixar os jogadores ajudarem a criar as situações, no final das contas um deles foi preso, mas a gente se divertiu muito! kkkk E cara, mestrar com jogador novo na mesa é muito bom, o garoto mandou bem demais pra ser a primeira vez dele ^,^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jogadores de RPG novatos sáo ÓTIMOS. Eles tendem a ter idéias super legais, não tem vícios, não são advogados de regras...
      Claro, tem os que ficam muito travados, mas quando travam é mais por timidez, não por serem novatos no jogo.

      Excluir
    2. É bem o que o Marcelo falou, jogador novo pensa mais "fora da caixa"

      Excluir
  13. Passando para dizer que está muito bom o Podcast. Estou com bastante compromissos ultimamente e só pude parar para acompanhar agora. Sei que ainda tem outro para ouvir, mas estou aqui sempre torcendo por seu sucesso!
    XP sonoro nesse povo! :D

    ResponderExcluir